Cavida discute prevenção e posvenção

Cavida discute estratégias de prevenção e posvenção do suicídio e comportamento suicida na escola

Dando continuidade ao Curso de Capacitação – Suicídio: compreender para intervir que teve início em junho e vai ser concluído em outubro deste ano, no dia de julho ocorreram duas palestras: “Estratégias de prevenção e posvenção ao suicídio” e, “Comportamento suicida na escola.” O curso está sendo realizado no auditório do Conselho Regional de Psicologia (CRP-15), no bairro do Farol.

Para ministrar as palestras o Cavida convidou os psicólogos e voluntários do CAVIDA Ana Kilvia Cavalcante (CRP – 15/4329)  e Arthur Alisson Rosa e Silva Santos.

Na palestra, Ana Kilvia falou que todos nós temos lembranças boas e ruins da nossa época de escola, dos nossos colegas e das histórias que vivemos. É um lugar de vida, expectativas, sonhos, planos, amores; mas também, cobranças, sofrimentos, frustrações, não pertencimento e julgamentos, daí a importância de se vivenciar adequadamente esse momento mas nem sempre é assim pois, muitas vezes, ocorre bullyng (agressão física e verbal entre alunos).

 

Também se discutiu o suicídio infantil, que apesar de sua ocorrência ser algo concreto, é um tema que não é discutido, pois expõe toda uma concepção diante da compreensão da criança em relação ao mundo.

 Já entre os jovens, observa-se a perda de relações (românticas), a incapacidade de lidar com desafios acadêmicos e outras situações estressantes da vida, além de questões associadas a poucas competências para resolver problemas, baixa autoestima e conflitos em torno da identidade sexual. O tema suicídio não é discutido na escola.

Na prática, percebe-se que a escola só busca ajuda quando perde um aluno ou professor por tal comportamento. Além de que muitas não sabem onde recorrer e qual profissional contatar. Quando um aluno tenta o suicídio e retorna para escola há um desconforto, tanto do aluno como também dos profissionais da escola porque não sabem lidar com a situação. Isso é bastante comum.  

Na palestra sobre Estratégias de Prevenção e Pósvenção do Suicídio, o psicólogo Arthur Alisson Rosa e Silva Santos, que é especialista em Psicologia Positiva, disse que um dos melhores meios de avaliação de um comportamento sobre suicídio é através da entrevista clinica, pois visa estabelecer um suporte emocional e a coleta das informações referentes aos fatores envolvidos com o sofrimento. Depois disso o profissional colhe informações para realizar o trabalho psicoterápico. e propõe algumas ações que poderão proteção, características, histórico pessoal e familiar, dados sobre saúde, identificação das redes de apoio e etc para analise de contexto, vida e histórico psiquiátrico. 

Sob risco de suicídio

Nas palestras foram discutidos também alguns sinais que podem indicar que uma pessoa poderá cometer o suicídio, dentre elas: comportamento retraído, inabilidade para se relacionar com a família e amigos, doença psiquiátrica, alcoolismo, ansiedade, transtorno de pânico, mudança na personalidade, irritabilidade, pessimismo, depressão, apatia, mudança no hábito alimentar e de sono, baixa autoestima, sentimento de culpa, luto (morte de parente, divórcio, perda de emprego), além de desejo súbito de concluir os afazeres pessoais, organizar documentos, escrever um testamento, entre outros.

 

 

 

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

top